Paróquia

Entres os campos de ação pelos quais o vocacionista oferece esse serviço vocacional, se encontra o trabalho nas paróquias, as quais são um espaço privilegiado para despertar, suscitar, cultivar e acompanhar as vocações. A principal motivação para os Religiosos Vocacionistas atuarem em uma paróquia, é o serviço vocacional; se essa não for a motivação, “a presença de um Vocacionista numa paróquia perde totalmente o seu sentido (...). O vocacionista está na paróquia enquanto está a serviço do seu carisma e não vice-versa”[1]. Se ele se esquivar desse serviço de animador vocacional, será infiel ao carisma recebido, o deixará morrer, e lastimavelmente perderá a sua identidade carismática, ou seja, não terá mais razão de existir e atuar.

A área paroquial é, sem sombras de dúvidas, espaço de santificação; é terreno fértil no qual se deve lançar a semente da vocação à fé, à santidade, à uma vocação específica (Ministro ordenado, Vida Consagrada e Cristão Leigo). Por isso, o religioso vocacionista, não deve medir os esforços para ajudar os paroquianos na descoberta, na resposta generosa e vivência alegre e fiel do chamado divino em sua vida, pois, a descoberta e vivência da vocação é o caminho da santificação, que conduz à união divina com a Santíssima Trindade. Para alcançar esse objetivo, “o vocacionista aplica-se ao apostolado da santificação, dando a toda a sua ação pastoral uma dimensão vocacional” (Const. nº 85).

Na ação pastoral paroquial, em prol das vocações, o vocacionista não deve atuar sozinho, mas é convidado a despertar e integrar toda a comunidade no urgente e importante trabalho com as vocações, fazendo da paróquia o espaço permanente do cultivo vocacional. As paróquias, de maneira especial naquelas que são assistidas pelos religiosos vocacionistas, devem possuir uma cultura vocacional bem arraigada, uma vez que a comunidade paroquial é o lugar, por excelência, do anúncio vocacional. É nela – comunidade paroquial – que a semente da vocação germina, que o vocacionado escuta o chamado de Deus e que o discípulo é convidado a se integrar e servir à vinha do Senhor. Dada tamanha importância, o serviço vocacional, não é uma tarefa isolada de cada cristão, pastoral ou grupo, mas é um serviço que exige a integração de todos, no qual cada um assume a sua responsabilidade e de forma contínua.

 

[1] OLIVEIRA, José Lisboa Moreira, O servo e a serva dos santos; pág.38.

003.png