press to zoom

press to zoom

press to zoom

press to zoom
1/4
 
 

Emblema da
Sociedade Divinas Vocações

logo.png

A espiritualidade vocacionial é bem descrita no emblema, que o próprio Pe. Justino cunhou:

Santíssima Trindade: Pai, Filho e Espírito Santo

 Ela é representada pelo triângulo equilátero. Este é o fim e o objetivo principal de todo vocacionista e de todo ser-humano.

Sagrada Família 

 Jesus é visualizado mediante a Cruz, o Sagrado Coração e a Eucaristia: a cruz é o símbolo de nossa salvação; o Sagrado Coração é o símbolo da Misericórdia Divina;  a Eucaristia é a imagem visível do Deus invisível. A estrela simboliza a Virgem Maria. São José é representado pelo lírio. O vocacionista usa a saudação "Jesus, Maria e José" para desejar que cada um ame a Deus como a Sagrada Família.

Arcanjos

O emblema é cercado por sete asas, simbolizando os sete espíritos assistentes ao trono de Deus. Das Escrituras conhecemos três deles: São Gabriel, São Rafael e São Miguel.

Igreja Universal

A Igreja universal é representada, em suas três dimensões, pelos três círculos: a Igreja triunfante, a Igreja peregrina e a Igreja padecente. A Igreja triunfante é a Igreja no Céu, a Igreja peregrina e a que está na Terra, a Igreja padecente está na espera da visão beatífica. Através da Igreja padecente chegamos à purificação. Através da Igreja peregrina alcançamos o iluminação. Através da Igreja triunfante obtemos a união.

Campos de Trabalho

Os Vocacionistas atuam em três campos de apostolado para promover vocações, que são Paróquias, Institutos e Missões. Cada vocacionista é chamado a trabalhar pelas vocações, especialmente entre os pobres.

Assim escreveu Pe. Justino uma vez em "Spiritus Domini", uma revista mensal de espiritualidade vocacionista, que fundou em 1927, apresentando o emblema vocacionista aos leitores:

"Este Emblema quer ser um raio para cada inteligência, uma flecha para cada coração e um lugar para cada alma que quer começar sua jornada para a União Divina."  

Explicação do símbolo

Saudação
Jesus, Maria e José

jmj.png

“A vida é um relacionamento íntimo e pessoal com Deus”
(São Justino)


 

O modelo da nossa comunhão e da nossa relação com Deus Trindade deve ser sempre a Sagrada, Família, pois ela soube viver e buscar a comunhão com Deus. Por isso a nossa saudação.

1º SIGNIFICADO DA NOSSA SAUDAÇÃO.

Nossa saudação está ligada às três pessoas da Sagrada Família.

“O Vocacionista é chamado a imitar a Sagrada Família na sua relação de Alma Filha, Alma Esposa e Alma Mãe de Deus Trindade” (Const. nº8).

QUEM É ESSA ALMA FILHA, ESPOSA E MÃE?

Alma Filha: Jesus.

Alma Esposa: José.

Alma Mãe: Maria.

Na Sagrada Família encontramos as três relações supremas: de “FILHO de Deus, em Jesus Cristo; de MÃE de Deus, em Maria SS.; de ESPOSO de Deus, na alma de São José” (Dev. 1158).

JESUS: A ALMA FILHA.

Por que Jesus é a Alma Filha?

Porque Ele é o Filho de Deus e estabeleceu uma relação filial com o Pai.

Foi sempre obediente e em tudo fez a vontade do Pai: “Eu desci do céu, não para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou” (Jo 6,38).

Jesus em sua relação de Alma Filha sempre esteve unido ao Pai, e o Pai a ele: “Eu estou no Pai e o Pai em mim” (Jo 14,11)

Assim como Jesus, nós também somos chamados a estabelecer uma relação de filhos com Deus. E em tudo devemos ser obedientes a Ele e sempre fazer a sua vontade.

JOSÉ: ALMA ESPOSA.

Por que José é a Alma Esposa?

Porque assim como a esposa é “submissa” ao seu marido e busca fazer sempre a sua vontade, também José foi “submisso” a Deus e fez a vontade divina.

Atendeu ao chamado de Deus em acolher Maria como esposa e Jesus como seu filho.

José acolheu e viveu para Jesus.

“Da SS. Trindade, você [São José] teve a vocação de atrair para acolher cada alma em sua família sagrada e crescer e nos formar ali segundo Jesus e Maria, para então nos conduzir à união com as Pessoas divinas (São Justino; Dev. 214-215).

Assim como São José em sua relação esponsal com Deus, também nós somos chamados a estabelecer essa mesma relação com Deus.

MARIA:  A ALMA MÃE:

Por que Maria é a Alma Mãe?

Porque Maria acolhe e forma em seu ventre o filho de Deus;

Porque se dispôs para fazer a vontade de Deus: ela une a sua Vontade à vontade divina: “Eis aqui a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a vossa vontade” (Lc 1,38);

Porque “a missão de Maria é formar as pessoas segundo o desejo de Deus, o ideal de Deus, o gosto de Deus”;

Porque “a vocação de Maria é aquela de formar Jesus em cada pessoa! E tornar cada pessoa não apenas santa a ponto de ser como Jesus, mas  também uma outra formadora de Jesus!  Eis a vocação de Maria, a vigem mãe de Jesus! Vocação que também se comunica a nós!” (LUDOVICO CAPUTO; Vida Mariana Vocacionista, p. 11);

“Quem deseja saber qual é obra mais pessoal de Maria no mundo dos viventes, descobriria que é aquela de formar as Almas Esposas de Deus, porque é tarefa da mãe, em relação ao filho, dar-lhe uma companheira, como se fosse uma outra se mesma, ou seja, a prolongação da mãe, que com ilimitada ternura acompanhará o filho ao longo de toda vida” (LUDOVICO CAPUTO; Vida Mariana Vocacionista, p. 19).

Assim como Maria gerou Jesus em seu ventre, também nós somos chamados a gerar Jesus na vida do outro.

 

 2º SIGNIFICADO DA NOSSA SAUDAÇÃO:

 

JESUS: O VOCACIONADO DO PAI:

 Ele é quem escuta o chamado divino e responde fielmente, até o fim, a missão que lhe é confiada.

 Ele soube escutar a voz do Pai, foi orientado por ele  e em tudo fez a vontade do Pai.

MARIA: A MÃE DO VOCACIONADO JESUS.

Gerou o vocacionado do Pai em seu ventre e O amou;

Educou e ajudou o seu Filho a escutar e a responder o chamado de Deus;

Acompanhou o vocacionado Jesus em sua missão do Ventre até a cruz.

JOSÉ: O PAI DO VOCACIONADO JESUS.

Acolheu o vocacionado Jesus como seu filho;

Educou-O e formou-O na fé e O incentivou a escutar e a responder o chamado de Deus em sua missão de Salvador.

COMO MARIA E JOSÉ ACOLHERAM E ACOMPANHARAM O VOCACIONADO DE DEUS, JESUS:

ASSIM TAMBÉM...

Os Religiosos Vocacionistas têm a missão de serem um PAI para as vocações.

As Religiosas Vocacionistas têm a missão de serem uma MÃE para as vocações.

E os vocacionados(as) têm a missão de ser FILHO de Deus; e para isso, precisam de ser acolhidos, amados e ajudados a escutar e a responder o chamado de Deus.

 

O QUE DESEJAMOS QUANDO SAUDAMOS COM: JESUS, MARIA E JOSÉ?

1º- LUGAR DESEJAMOS:

Que a vida do outro, em sua relação com Deus, seja como a relação de ALMA FILHA (Jesus), de ALMA ESPOSA (José) e de ALMA MÃE (Maria). 

2º- LUGAR DESEJAMOS:

Que nós, A EXEMPLO DE MARIA, sejamos uma MÃE, capaz de acolher e acompanhar as vocações.

Que, A EXEMPLO DE JOSÉ, sejamos um PAI para todas as vocações, a fim de ajudá-las na descoberta e vivência do chamado de Deus.

E que, A EXEMPLO DE JESUS, sejamos VOCACIONADOS, capazes de escutar o chamado de Deus, respondê-lO com alegria e ser fiel à vocação-missão que Deus nos confia.

Com a nossa saudação desejamos uma dupla missão:

DESEJAMOS:

Que o outro enquanto vocacionado(a) descubra a sua vocação e seja fiel a ela.

DESEJAMOS:

Que o outro seja um animador(a) vocacional, ou seja: um verdadeiro pai e verdadeira mãe para as vocações;

 

Nossa Senhora
das Divinas Vocações

 
nossa senhora das divinas vocações.png

Para São Justino, a função mais especial de Maria é a de formar almas segundo o coração de Deus, como Deus as quer, como Deus quiser que elas sejam! A vocação de Maria é a de formar Jesus em cada alma; e não só para tornar cada alma santa de modo a ser Jesus, mas para transformá-la num outro Jesus.

Em 14 de fevereiro de 1938, São Justino escreveu em seu "Livro da Alma" dizendo:

"É como se a Santíssima Trindade tivesse me ditado, de uma maneira particular, que a Bem-aventurada Virgem Mãe é minha imediata diretora espiritual." (Obras, Vol.11).

São Justino escreveu e declarou:

"Foi-me dada a certeza de que a Santíssima Trindade deu à Bem-aventurada Virgem o Ofício de Superiora Imediata da Sociedade das Divinas Vocações, presente e atuante no nosso meio, em todos as sedes, em todas as nossas casas, nos nosso estudos, nos nossos trabalhos e em tudo o mais." Na data de 11 de fevereiro de 1932, Nossa Senhora o visitou e falou com ele; e, em 1932, foi estabelecida 11 de maio como a festa do Superiorato de Maria Santíssima em nossa Congregação.

Segundo São Justino,

"Onde está Deus, toda a corte celestial está com Ele. Já que Deus está em todos os lugares, e Maria está sempre com Ele, nossa fé na presença especial de Maria no mundo todo está justificada. Nossa Senhora está realmente presente sobretudo nos quartos dedicados a ela em todas as nossas residências. Lembra-te que a Santa Virgem é tua mãe e cuida de ti. Toda noite ela passa perto de tua cama; e, além de estar te ajeitando para assegurar de que estejas bem coberto, ela sorri para ti e te abençoa. Procuremos não deixar nossa Mãe do céu triste com os nossos defeitos. A Mãe Bendita visita todas as almas, especialmente aquelas que esperam ser santificadas, e as que são abençoadas com uma vocação religiosa e sacerdotal, e mais ainda àqueles que nutrem vocações. Ele disse que podemos aprender a perfeita devoção à Maria com alguém que conhece sua vida: os Anjos e os Santos."

(CAPUTO,  Devozioni mariane Edizioni Vocazioniste, Napoli, Maggio 2010)

Cruz de Fogo

 

A cruz de fogo nasce dentro da espiritualidade da Sociedade Divinas Vocações (Vocacionistas), cujo fundador, São Justino Russolillo Maria da Santíssima Trindade, em um momento difícil de crise e de incompreensões do seu serviço vocacional, compara o trabalho de animação vocacional como uma cruz de fogo, a qual ele abraça em nome de Cristo. Encontra-se em suas anotações essa oração: “Convosco, por Vós e em Vós, ó Jesus, abraço essa Cruz de fogo, que é a obra das Divinas vocações!”

RITO PARA A IMPOSIÇÃO DA CRUZ DE FOGO

Animador (a): Caros irmãos, todos nós somos convidados por Jesus, a pedir ao Dono da colheita que envie operários e operárias à sua colheita (cf. Mt 9,38). Diante dessa interpelação, é tarefa de todos nós cristãos intensificarmos as nossas orações, para que o Senhor continue chamando muitos outros cristãos à vocação aos Ministérios Ordenados e à Vida Consagrada, à Vocação Laical e ao Matrimônio, a fim de nunca faltar trabalhadores (as) em sua vinha. Por isso, ao receber essa Cruz de fogo, este nosso irmão (ã) assume o compromisso de pedir ao Dono da Vinha, por meio da intercessão do Apóstolo das Vocações, São Justino, que continue enviando à sua Igreja muitas vocações santas e comprometidas na construção do Reino de Deus.


Religioso vocacionista: O Senhor esteja convosco.
Todos: Ele está no meio de nós.
Religioso vocacionista: Meus queridos irmãos (as), Jesus disse aos seus discípulos: “Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome sua cruz e siga-me. Pois aquele que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á, mas o que perder a sua vida por causa de mim, encontrá-la-á” (Mt 16,24-25).
OREMOS: Senhor Jesus Cristo, que fizestes São Justino ser “Convosco, por Vós e em Vós, abraçar a cruz de fogo, que é a obra das Divinas Vocações; fazei que esses vosso Filhos (as), possa também, ao longo da sua vida, rezar e trabalhar pelas vocações em vossa Igreja. Por Cristo, nosso Senhor.
(O religioso abençoa a cruz de fogo e a asperge com a água benta)

IMPOSIÇÃO DA CRUZ.

Religioso vocacionista: Meu (Minha) irmão (ã), recebe esta cruz de fogo, que é a obra das Divinas Vocações.
A pessoa que recebe a cruz: “Convosco, por Vós e em Vós, ó Jesus, abraço essa Cruz de Fogo, que é a obra das Divinas vocações!” Amém!

(Antes da benção final, reza-se a seguinte jaculatória, três vezes)
Religioso vocacionista: Enviai, Senhor, operários e operárias à vossa Messe.
Todos: Pois a messe é grande e poucos são os operários e operárias.


BENÇÃO FINAL

Religioso vocacionista: O Senhor esteja convosco!
Todos: Ele está no meio de nós!

Religioso vocacionista: Pela intercessão de São Justino, desça sobre vós e vossa vocação a bênção da Santíssima Trindade: Pai, e Filho, e Espírito Santo.
A pessoa que recebe a cruz: Amém.
Religioso vocacionista: Ide em paz e não vos esqueçais: “Ajudar as vocações é a maior obra de amor”.

Pe. Carlos Valério, SDV

CRUZ DE FOGO (VOCACIONISTAS).jpeg
003.png